São filhos de emigrantes, vivem na Europa e têm menos de 30 anos. Este é perfil conhecido dos radicais luso-descendentes que combatem na Síria e Iraque. Um deles, em Maio, cometeu atentado suicida perto de Bagdad.

Especial I Guerra Mundial

Os dias do calor