Haruko Obokata pediu desculpas pelos erros cometidos na apresentação dos seus resultados na revista Nature e verteu lágrimas. Mas manteve-se firme ao afirmar que as células que diz ter criado existem mesmo.