Quatro toneladas de produto foram apreendidas

Área do tamanho de 180 campos de futebol devastada por químicos na Amazónia

Em Maio foram derrubados 268 quilómetros quadrados de floresta da Amazónia Foto: Rickey Rogers/Reuters/arquivo

Uma área do tamanho de 180 campos de futebol na floresta da Amazónia acaba de ser devastada por químicos tóxicos pulverizados por avião, uma nova forma mais silenciosa e grave de desmatação, revelaram as autoridades. Quatro toneladas de veneno, prestes a ser utilizadas, foram apreendidas noutro local.

Bastaram duas horas de helicóptero sobre a floresta da Amazónia para o Ibama (Instituto brasileiro do meio ambiente e dos recursos naturais renováveis) descobrir, na segunda semana de Junho, uma área com milhares de árvores em pé, mas sem folhas e esbranquiçadas pela acção dos químicos, avança o jornal “A Folha de São Paulo”.

Esta desmatação química aconteceu no estado do Amazonas, a Sul do município de Canutama, perto da fronteira com o estado da Rondónia, entre o Parque Nacional de Mapinguari e a terra indígena Jacareúba/Katawixi, que ainda não foi demarcada.

Depois de o avião lançar os químicos tóxicos sobre a floresta, as árvores ficam esbranquiçadas, o solo e os lençóis freáticos contaminados e os animais e insectos acabam por morrer. No prazo de uma semana, todas as folhas das árvores caem e ficam apenas os troncos. As árvores com valor comercial são, então, derrubadas por madeireiros, explica o jornal. O terreno depois é limpo com queimadas, para criar pastos para o gado. O responsável pelo crime ambiental ainda não foi identificado.

O Ibama chegou à área destruída, de 178 hectares, depois de o sistema por satélite Deter (Detecção do Desmatamento em Tempo Real), do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), ter revelado indícios do crime ambiental. "Fomos verificar e confirmámos a destruição”, contou Jerfferson Lobato, chefe da Divisão de Controle e Fiscalização do Ibama no estado do Amazonas, ao jornal.

Este não é caso único. Já em 2008, as autoridades descobriram uma área de cinco hectares destruída por herbicidas no estado da Rondónia, na região de São Francisco do Guaporé.

Apreendidas quatro toneladas de veneno escondidas na floresta

Em comunicado, o Ibama revela que apreendeu ainda cerca de quatro toneladas de herbicidas altamente tóxicos que seriam utilizados como desfolhante para destruir três mil hectares de floresta. “O herbicida estava armazenado em local inadequado, escondido no meio da mata e seria pulverizado na floresta com o uso de aeronave” disse Cícero Furtado, coordenador da operação.

Estes produtos são usados na agricultura para controlar as ervas daninhas mas precisam de licença para aquisição e a sua aplicação tem de ser acompanhada por um engenheiro agrónomo. “Se forem aplicados inadequadamente podem causar sérios danos ao ambiente, como a poluição de lençóis freáticos, perda de diversidade biológica de solos e morte de animais e insectos”, explica o Ibama.

O responsável já foi identificado e sofrerá as penalidades previstas na Lei de crimes ambientais, que prevê multa de 500 a dois milhões de reais (220 a 882 mil euros).

Jerfferson Lobato afirma que o uso de agrotóxicos acelera o desmatamento de florestas públicas. O fenómeno é recente, no entanto. O mais comum é devastar com motosserras, tractores e queimadas. Os infractores “mudaram de estratégia porque em pouco tempo conseguem destruir mais áreas com os agrotóxicos", afirmou Lobato.

Em Maio foram derrubados 268 quilómetros quadrados de floresta da Amazónia, um aumento de 2,5 vezes em relação ao mesmo mês do ano passado, revela o Inpe.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.